Pesquisar no site


Contato

Henrique519

E-mail: henrique519@hotmail.com

Dana White deixa rixas no passado e vira unanimidade como 'Poderoso Chefão' quer saber mais acesse www.uol.com.br

11/07/2011 12:26

 Dana White não manda sozinho no UFC, mas se transformou na imagem da marca

Dana White não manda sozinho no UFC, mas se transformou na imagem da marca

 
11/07/2011 - 07h00

Dana White deixa rixas no passado e vira unanimidade como 'Poderoso Chefão'

Maurício Dehò 
Em São Paulo

Ele não usa ternos caros e não faz com quem ninguém tenha de beijar sua mão, no estilo Don Corleone. Ainda assim, ganhou o status de “Poderoso Chefão”, capaz de fazer seus “comandados” demonstrarem da simples fidelidade ao temor. Após uma década à frente do UFC, o presidente Dana White, 41, é a figura mais famosa do evento fora do octógono, arrebatando seus próprios fãs e fazendo do seu rosto a imagem da organização.

Mas nem sempre as coisas foram assim. O norte-americano teve de superar rixas, ignorar crises financeiras e construir uma imagem que lembra a de um pai durão. E foi desta maneira que conseguiu se transformar em unanimidade dentro do UFC, conquistando se não a amizade, ao menos o respeito profissional dos lutadores e empresários.

Primeiramente, é bom deixar claro. Quem realmente dá a última palavra no UFC não é Dana White, mas os irmãos Fertitta. Por meio da empresa Zuffa, eles compraram em 2001 a marca criada por Rorion Gracie, por US$ 2 milhões, e colocaram o empresário na presidência da organização, hoje avaliada em US$ 1 bilhão. Mas no papel principal de administrador e sócio minoritário, o norte-americano já é considerado um dos mais ousados e eficientes do mundo dos negócios.

 
 
 
 
Foto 1 de 26 - Às vezes, Dana White tem de intervir na "encarada" dos lutadores, como aconteceu com Anderson Silva e Vitor Belfort no UFC 126 UFC/Divulgação

UOL Esporte falou com lutadores e empresários para mostrar quem é Dana White, na voz de quem trabalha com ele, buscando entender o porque de ele ter chegado onde está hoje.

PAIXÃO PELAS LUTAS MOVE CHEFÃO

  • Divulgação

    Um dos fatores que levaram o UFC ao sucesso, ao lado de seu tino nos negócios, é a paixão pelas lutas. Nascido em Manchester, Connecticut (EUA), Dana é um ex-lutador de boxe amador que também se aventurou em artes marciais voltadas ao chão.

    Com isso, ele acabou abrindo academias em Las Vegas e se tornou empresário de Tito Ortiz e Chuck Lidell. Neste período, ficou sabendo da venda do UFC e avisou ao amigo de infância Lorenzo Fertitta. Em pouco tempo, a compra foi feita e a organização passou a crescer com força a partir da edição 30. O terceiro pilar da empresa é Joe Silva, vice-presidente e matchmaker, quem que escolhe os confrontos que serão realizados.

E o detalhe é que é ele próprio quem dá a cara a bater, sendo “onipresente” nos eventos que realiza. Daí vem a imagem de poderoso chefão, a daquele carequinha que observa os lutadores em dia de pesagem, saindo em cada foto com semblante de cobrança: eles sabem que tem de dar espetáculo no octógono, ou vão levar um pito do comandante.

Para muitos dos que têm de entrar no ringue, a cobrança é a característica mais marcante quando se lembra de Dana White, assim como o fato de ele falar o que pensa, na hora que pensa.

“Dana é um cara sério, que não mede palavras e fala o que pensa, seja para quem for”, explica o peso pesado Júnior Cigano, que conviveu com o chefe na filmagem do reality show "The Ultimate Fighter" (TUF), em que foi técnico. “Bronca eu nunca levei, mas à vezes ele lança um olhar mais sério e você já sabe que fez algo que ele não gostou.”

“Se você treina bem, pesa no limite e luta bem, vai ser tratado com justiça”, afirma Forrest Griffin, vencedor da primeira edição do TUF, reality show que colocou o presidente ainda mais em evidência, aparecendo rotineiramente na TV norte-americana. “Ele espera muito, mas paga muito bem também (risos). Desde o TUF o Dana melhorou, tornou-se melhor em se comunicar, ficou mais confortável à frente das câmeras. Mas, como pessoa, é o mesmo cara”.

Já acostumado a tratar a imprensa e se comunicar com os fãs - hoje tem 1,5 milhão de seguidores no Twitter -, Dana White nem sempre foi o simpático dirigente que parece ser na maior parte do tempo. Em 2009, discutiu asperamente com uma repórter e o papelão foi parar em vídeo na internet, com direito a acusação de usar termos homofóbicos.

Dentro de seu plantel de lutadores, alguns já tiveram externadas suas indiferenças com o chefe. Tito Ortiz, que antes do UFC teve Dana como empresário, é um deles. Quando o lutador foi técnico do TUF, em 2006, Dana White disse com todas as letras odiar o lutador, mas manteve a postura profissional durante todo o programa e até hoje Ortiz segue lutando pelo UFC, driblando a aposentadoria.

Dana White e as origens da modalidade: 'Bruce Lee é o pai do MMA'

Para quem acha que Royce Gracie pode ser uma espécie de pai do MMA - ele venceu três das quatro primeiras edições do UFC -, Dana White tem opinião diferente. "O pai da ideia das artes marciais mistas é Bruce Lee. Se você analisar seu treino, suas lutas e o que ele escrevia, verá que ele defende que não há um estilo de combate perfeito. Você pega um pouco de cada, utiliza o que é bom e joga o resto fora", filosofa o presidente do UFC.

Principalmente para quem perde, o papel de vilão surge com mais intensidade. Astros como Chuck Lidell conviveram com a ameaça da aposentadoria, ouvindo críticas ácidas do chefe. E até para quem vence é possível ficar na corda bamba.

Talvez o maior inimigo de Dana White dentro do próprio UFC tenha sido Tito Ortiz. Antes de presidir o evento, Dana foi empresário do lutador, mas a relação entre eles descambou para trocas de palavras nada educadas e até insultos. Tito usou uma camiseta na pesagem do UFC 84 com a frase "Dana é a minha vagabunda". Ainda assim, o chefe sempre reconheceu a importância do astro, tanto que Tito segue lutando, e com novo gás após a recente vitória contra Ryan Bader no UFC132.

Anderson Silva derrotou Demian Maia no UFC 112, mas debochou do rival dentro do octógono. Como resultado, Dana publicamente censurou a atitude do campeão dos médios e exigiu uma mudança no seu comportamento, sob o risco de obrigá-lo a deixar o UFC.

Até por este caso, Anderson é um dos lutadores que mais mostra distanciamento em relação ao chefe. "Nós devemos parte do crescimento do MMA ao Dana e ao Lorenzo, que fazem um trabalho espetacular no UFC, mas junto com os lutadores que escreveram a história do evento. É uma via de duas mãos. Não haveria UFC sem os grandes lutadores que passaram pelo UFC", opina o campeão dos médios.

Mas nem tudo são lutas e lutadores. Além da visão do esporte em si, como modalidade, o UFC virou um produto maior, com desmembramentos como o TUF, as exposições para os fãs - com vendas de centenas de produtos ligados à marca -, os games e até suas ring girls.

E não é só, o evento está em um momento de expansão, com as aquisições do Strikeforce e do WEC, e globalização, apostando na volta ao Brasil em agosto e já com planos de realizar uma programação no Japão. Com esta atual conjuntura, como o próprio Dana White já afirmou, o céu é o limite para o UFC. Resta sentar e assistir aos próximos capítulos da saga deste Don Corleone do mundo das lutas.

VEJA O QUE OS LUTADORES FALAM DO CHEFÃO DO UFC PARA O UOL ESPORTE

Anderson Silva
"Devemos parte do crescimento do MMA ao Dana e ao Lorenzo. Ele (Dana) faz a parte dele, como um grande vendedor de lutas. E nós fazemos a nossa dentro do octógono, que é lutar."
Brendan Schaub
"Ele é o cara que comanda o barco e fez do UFC o melhor lugar do mundo para estarmos agora. Mas não queira ver seu lado mau! (risos) Se você sai falando besteiras para a imprensa, é claro que vai levar uma bronca."
Vitor Belfort
"Conheci Dana quando ele tinha cabelo (risos). As pessoas o idolatram porque ele traz para o fã o que ele quer. Sua cobrança é apenas a nossa obrigação."
Forrest Griffin
"Dana colocou o esporte nesse lugar com sua paixão. Ele cobra muito, mas paga muito também (risos)."
Júnior Cigano
"Bronca eu nunca levei, mas às vezes ele dá um olhar mais sério e você já sabe que fez algo que ele não gostou. Tivemos uma convivência (no TUF), então dá para perceber no olhar."