Pesquisar no site


Contato

Henrique519

E-mail: henrique519@hotmail.com

Chances de encontrar sobreviventes de naufrágio na Rússia são mínimas, dizem equipes de resgate

10/07/2011 22:41

 

Barco com mais de 100 pessoas a bordo naufraga na Rússia

 

 
 
 
 
Foto 8 de 11 - Sobreviventes do naufrágio da embarcação "Bulgária", barco de passageiros que tinha 182 pessoas a bordo, a maioria turistas, no rio Voga, chegam ao porto de Kazan, na Rússia. O Ministério para Situações de Emergência russo informou que 100 pessoas estão desaparecidas e pelo menos uma pessoas morreu Roman Kruchinin/Reuters

As equipes de resgate russas consideraram "ínfimas" as chances de encontrar sobreviventes entre os mais de 100 desaparecidos após naufrágio de um navio de cruzeiro que navegava pelo rio Volga, na república russa do Tartaristão. As causas do naufrágio ainda são desconhecidas.

"Há 47 mergulhadores que revisam o barco, foi instalado um sistema de iluminação. Depois das buscas empreendidas, podemos chegar à conclusão de que as possibilidades de encontrar sobreviventes são ínfimas", declarou um porta-voz do Ministério de Situações de Emergência russo.

Os mergulhadores conseguiram encontrar  o corpo de uma mulher, o que eleva o balanço oficial para dois mortos. Outro navio, o "Arabella", resgatou no local do acidente 76 pessoas.

"Segundo as últimas informações disponíveis, 148 passageiros e 31 membros da tripulação encontravam-se a bordo do navio (...), 76 passageiros foram salvos, três foram hospitalizados e duas mulheres morreram", indicou o comitê de investigação da Rússia em comunicado.

O "Bulgária" afundou às 13h58 no horário local (às 6h58 de Brasília), no rio Volga, em frente à localidade de Siukeievo, a cerca de 80 km ao sul de Kazán, a capital Tartaristão, localizada 800 quilômetros a leste de Moscou.

A "Bulgária", uma embarcação fabricada na Tchecoslováquia em 1955, fazia a rota entre Bolgar e Kazan, cidades de Tartária.

O ministro de Situações de Emergência, Sergey Shoygu, informou por telefone ao presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, sobre os trabalhos de resgate.

*Com agências internacionais